Métodos de aprendizagem cooperativa

1. PRINCIPAIS MÉTODOS DE APRENDIZAGEM COOPERATIVA

  • Aprendendo juntos (learning together): Método desenvolvido por David e Roger Johnson, na Universidade de Minnesota. Neste método os alunos são distribuídos por grupos heterogêneos de 4-5 participantes, onde são distribuídas fichas de trabalho. Cada grupo elabora em conjunto a respectiva ficha de trabalho e, no final, entrega uma única ficha pela qual o grupo será avaliado. Não há recurso a recompensas extrínsecas. Por essa razão, pode afirmar-se que a estrutura-chave deste método de aprendizagem cooperativa é uma estrutura de objetivos. O docente tem também o papel de avaliar continuamente o nível de cada aluno, dando assim informação aos indivíduos e aos grupos sobre as contribuições individuais e, com isso, responsabilizando as pessoas ao longo do processo.
  • Implementação: Tipos de grupos:

Coexistem três tipos de grupos: informais, formais e permanentes.

Informais: Podem durar poucos minutos a uma aula inteira. São grupos que trabalham na aula orientados pelo professor. A aprendizagem cooperativa pode ser usada para discutir, em pares ou em grupos de três/quatro, um ponto, um tema abordado pelo professor, para analisar algum aspecto de difícil compreensão ou para relacionar os novos conhecimentos com conhecimentos já adquiridos. Pode ser usado em qualquer momento da aula.

Formais: Podem durar uma aula ou várias semanas. Os participantes do grupo têm um objetivo ou tarefa comum concreta. Pode tratar-se de uma tarefa que envolva a resolução de um problema, que inclua tomadas de decisão complexas ou simplesmente a resposta a um questionário; pode constar da elaboração de um ensaio ou da realização de um questionário ou de uma experiência; pode tratar-se de uma unidade curricular ou apenas de uma atividade para aprendizagem de nova metodologia de pesquisa como a consulta de um dicionário ou bibliografia especializada. Tudo ou quase tudo que os alunos realizam na sala de aula pode ser transformado em aprendizagem cooperativa.

Permanentes: Pode durar um semestre, um ano ou vários anos. São grupos heterogêneos com o propósito de “dar suporte, ajuda, encorajamento e assistência às necessidades de cada participante para ter progresso acadêmico e desenvolver-se cognitiva e socialmente de uma forma saudável e adequada. Podem encontrar-se formalmente para discutirem o progresso acadêmico de cada um dos membros, identificarem dificuldades que estão experimentando, verificarem se estão cumprindo as tarefas solicitadas. Podem ainda ser responsáveis por manter algum dos participantes a par do que se fez na aula quando alguém falta a uma aula. Informalmente os participantes destes grupos interagem no dia-a-dia dentro da sala de aula ou fora dela. Julgamos que este tipo de estratégia quando bem iniciada, podem ser muito úteis quando há alunos com problemas, quando há tarefas complexas a realizar e quando a turma é muito grande.

PAPEL DO PROFESSOR:

- Estabelecer os objetivos para o trabalho, os quais devem incluir pelo menos um objetivo relacionado com conhecimentos, especificando-se os conceitos e as estratégias e um objetivo relacionado com competências interpessoais.

- Adotar um conjunto de decisões antes de iniciar o trabalho como, por exemplo, as relativas à constituição dos grupos, aos papéis que se adéquam ao tipo de trabalho, aos materiais necessários ao arranjo da sala de aula.

- Explicar as tarefas, ensinando ou relembrando, se necessário, conceitos e estratégias indispensáveis para a realização do trabalho. Explicar também o tipo de interdependência positiva e a participação individual e indicar os critérios de sucesso para a aquisição de conhecimentos no âmbito do desenvolvimento das competências pessoais.

- Fazer a monitorização o grupos, recolhendo dados de cada grupo e intervindo se necessário, para que as tarefas se realizem corretamente para o bom funcionamento da equipe.

- Avaliar a aprendizagem dos alunos e ajudar na auto-avaliação do grupo em especial quanto ao seu funcionamento.

  • É de fundamental importância a compreensão dos elementos essenciais da aprendizagem cooperativa, pois só interiorizando-os, o corpo docente poderá:

- pensar metacognitivamente sobre a aprendizagem cooperativa;

- criar variadas estratégias e atividades;

- alcançar os fins para desenvolverem suficiente competência que lhes permita:

  • Ø Estruturarem em forma de aprendizagem cooperativa qualquer assunto de qualquer área;
  • Ø Praticarem o uso da aprendizagem cooperativa e implementá-la pelo menos durante 60% do tempo;
  • Ø Serem capazes de explicar o que fazem e porque razões o fazem, de modo a fundamentarem perante os outros a filosofia da aprendizagem cooperativa e de ensinarem aos demais colegas.
  • Ø Aplicar os princípios da aprendizagem cooperativa em outros contextos, como reuniões e na comunidade escolar.

A competência para usar a aprendizagem cooperativa é conseguida através de um progressivo refinamento ao longo de bastante tempo, fruto da prática, da reflexão sobre essa prática e de pôr novamente em prática os ensinamentos resultantes dessa reflexão.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s